quinta-feira, 11 de junho de 2009

Complemento Nominal x Adjunto Adnominal

Olá concurseiros!

Continuando a série de posts tratando de temas recorrentes nas provas da FGV (Fundação Getúlio Vargas), tendo em vista o concurso para fiscal de rendas do RJ, tratarei hoje de um assunto do qual a banca gosta muito, tanto que reserva sempre uma questão para tratar do tema: complemento nominal x adjunto adnominal.

Como sempre, não pretendo esgotar o assunto nesse texto, até porque há várias regras muito específicas, que não caem em concursos. Entretanto, como estamos falando da FGV, tentarei ser o mais abrangente possível, já que quando querem que erremos a questão, os examinadores fazem de tudo.

        

diferença básica: enquanto o complemento nominal é um termo preposicionado, o adjunto adnominal pode ser um artigo, um adjetivo, um numeral, um pronome, ou seja, é muito mais fácil encontrarmos adjuntos em uma frase.

 

Exemplo: Meus leitores têm confiança nos longos textos do blog.

Quantos CN e Adj Adn vocês conseguem identificar? (Esta pode ser uma questão da prova.)

A resposta deve ser: CN – 1 (nos longos textos)

                             Adj Adn - 4 ( meus / os / longos / o )

 

1º lembrete: não confundam complemento nominal e complemento verbal. Este funciona como um objeto (no nosso caso, um objeto indireto por causa da preposição). Aquele se refere a um nome (adjetivos e substantivos são nomes, por exemplo).

Exemplo: Meus leitores confiam nos textos do blog. (percebam a mudança de “têm confiança” para “confiam”)

2º lembrete: da mesma forma, tomem cuidado com adjuntos adverbiais, já que estes se referem a verbos e seguem a classificação dos avérbios.

 

A diferença entre as funções parece clara com o exemplo simples que eu formulei, porém, a maior dificuldade não está na diferença, mas sim na semelhança entre CN e Adj Adn. Vejamos:

Perceberam que, no primeiro exemplo, a preposição “de” foi usada duas vezes, mas com funções diferentes? (na verdade, a preposição não tem função sintática, sendo apenas um elemento de transição)

É justamente essa semelhança entre um CN e um Adj Adn (ambos podem ser antecedidos de preposição) que o examinador gosta de explorar para tentar nos confundir, principalmente usando a preposição “de”. Vamos então analisar esses casos:

 

Critérios de Diferenciação

 

1- concreto x abstrato : por um lado, este é o critério mais fácil de ser aplicado. Vejamos:

prova de concurso: prova = concreto = Adj Adn

necessidade de estudo: necessidade = abstrato = CN

Mas por outro lado, a preposição “de” admite exceções ao macete (notem que com as outras preposições não teremos problemas)

Exemplo: necessidade do leitor

necessidade = abstrato (o que nos levaria a pensar em CN)

Mas temos aqui um Adj Adn. (não preciso dizer que este é o tipo de palavra que vai cair na prova se quiserem complicar né?!)

Como saber a diferença? Vamos ao segundo critério:

 

2- agente x paciente: este critério é bem mais seguro. Deve ser usado principalmente nos casos de expressões com a preposição “de”, mas funciona em quase todos os outros. Usarei os exemplos acima para que percebam a diferença.

.necessidade de estudo –  o estudo necessita de algo? (ativo) ou

                                        o estudo é necessário? (passivo)

.necessidade do leitor –    o leitor necessita de algo? (ativo) ou

                                        o leitor é necessário? (passivo)

 

Perceberam a diferença? Fácil né?! Nem tanto...

No primeiro caso não há dúvidas, já que nunca teremos “estudo” no pólo ativo, sendo sempre CN. Todavia, com um pouco de atenção, podemos perceber que dependendo do contexto, “leitor” pode estar ora no pólo ativo, ora no passivo. Vejam só:

 

Exemplo: Ao mesmo tempo que o blog tem necessidade de leitores, estes têm necessidade de um blog com dicas sobre português.

 

Ficou clara a diferença? Na primeira frase, os leitores são necessários ( passivo = CN ), já na segunda, os leitores necessitam do blog (ativo = Adj Adn).

 

DICA DE MEMORIZAÇÃO: Adj Adn = Ativo

Em relação à regra do abstrato, é o contrário: Abstrato = CN (não Adj Adn)

Cuidado para não confundirem o macete hein?!

 

3- relacional x nocional: esse critério também pode ser adotado (com a mesma ressalva da preposição “de”) na maioria dos casos.

relacional = preposição exigida pelo nome (regência) = CN

nocional = a preposição tem valor semântico = Adj Adn

Analisemos novamente os exemplos anteriores:

.necessidade de estudo: a preposição “de” é exigida pelo nome (regência nominal) /  não acrescenta valor semântico

.necessidade do leitor: um dos sentidos possíveis (passivo) decorre da ideia de posse da preposição, não sendo exigida pelo nome.

Este é melhor critério, mas dificilmente conseguiremos descobrir se a preposição “de” está sendo exigida ou não pelo nome na hora da prova.

 

É difícil afirmar qual critério será mais eficiente na hora da prova, pois depende muito da frase. Portanto, tenhamos todos em mente e usemos todos na mesma questão, assim não erraremos.

Meu conselho é usar os critérios de forma decrescente (3 > 2 > 1), sendo que o segundo critério normalmente é suficiente para resolver a questão.

 

Casos Especiais

 

Não se preocupem, os casos especiais não são exceções, mas sim dicas para descobrirmos a função de forma mais rápida!

1- advérbio + termo preposicionado = CN

Exemplo: Fora da sala, havia dois fiscais.

2- adjetivo + termo preposicionado = CN (regra geral)

Exemplo: As anulações foram favoráveis ao candidato.

Obs.: percebam que o terceiro critério funciona em ambos os casos.

 

Conclusão: como vocês podem perceber, o assunto não é tão complicado, basta que tenhamos calma e atenção durante a prova para usarmos o critério mais adequado.

O próximo post será um simulado sobre esse assunto, assim poderei comentar tanto as questões que caíram nas provas anteriores do ICMS quanto outras que prepararei com o mesmo nível de dificuldade ok?!

Bons estudos!

 

Diego Garcia (Dimalkav)

dimalkav@yahoo.com.br

13 comentários:

  1. Diego, com relação aos simulados do Décio, fiquei em duvida nas palavras abaixo...dá para exclarecer:

    Categórico
    Ambiência
    Idiossincráticas
    Lançou mão
    Conotação.

    Abs

    ResponderExcluir
  2. O problema é lembrar de todas as regras e não confundir...rs.. acho que só muito exercício mesmo, como toda matéria =P
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Rafael, não entendi muito bem sua dúvida. Você não sabe o significado dessas palavras?
    Se for algo específico de alguma questão, poste-a na íntegra, para que eu possa fazer a análise correta ok?!

    categórico: adjetivo, vem de categoria.
    ambiência = ambiente
    idiossincrática pode ser substituída por "pessoal"
    lançar mão é uma expressão que funciona como um verbo, tanto que a regência muda. De lançar algo para lançar mão de algo.
    conotação é o oposto de denotação, refere-se a algo fictício, enquanto denotação refere-se a um fato.
    É comum cobrarem em prova a ideia de linguagem figurada, que seria o caso da conotação.
    Acho que essas eram as suas dúvidas!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. É verdade Manu!
    Este é, sem dúvida, um dos assuntos mais complexos da língua portuguesa. Na faculdade, eu tive poucos professores que abordaram o tema, e mesmo assim era de forma bem simples. Então quando tínhamos que analisar uma frase mais complexa ficava complicado.
    Com o simulado você terá oportunidade de praticar bastante!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Diego,

    Na frase:
    A requisição de equipamentos não será atendida com presteza.´( de equipamentos é complemento nominal ou adjunto?)
    A requisição do capataz não será atendida com presteza. ( do capataz é complemento nominal ou adjunto? )

    ResponderExcluir
  6. requisição de equipamentos -> CN (porque equipamentos está em posição passiva)

    requisição do capataz -> depende do contexto. Considerando que o capataz tenha requisitado algo, teremos Adjunto Adn. Caso ele tenha sido requisitado por alguém, o caso é semelhante ao anterior.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Cara, na questão do Senado que diz:

    "Que provocou o maior desastre fiscal da história brasileira, induzindo a disparada do déficit público, da dívida interna e da carga tributária".

    O gabarito diz que não há nenhum Complemento Nominal. Agora veja minha dúvida:

    "da história brasileira": é muito difícil julgar se é agente ou paciente - eu mesmo não sei.

    Aí fui pro critério de Concreto ou Abstrato - pra mim "desastre fiscal" é abstrato (Então seria CN);

    Mais um critério - tem sentido de posse ou especificação? Pra mim é especificação, logo seria CN.

    Termo integrante ou não: pra mim é integrante (Logo seria CN).

    "disparada do déficit..." - é agente ou paciente? Difícil saber, mas eu chuto que é paciente (Logo, CN).

    Concreto ou abstrato? Disparada, pra mim, é abstrato (Logo, CN).

    Termo integrante ou não: pra mim é integrante (Logo, seria CN).

    Tem sentido de posse ou especificação? Pra mim, especificação (Logo, seria CN).

    Portanto, como os outros são similares, teriam 4 CN e o gabarito diz que todos são AA.

    Isso funde minha cabeça!!!!!!!!!!!! Por favor, me ajude?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  8. Olhei alguns artigos, gostei muito do seu blog Diego. Parabéns e obrigado!

    ResponderExcluir